All posts by Nicholas Locke

Trovoada-de-Bertoni

Trovoada-de-Bertoni <em>Drymophila rubricollis</em> (© Nicholas Locke)
Trovoada-de-Bertoni Drymophila rubricollis (© Nicholas Locke)

Aguas Compridas é uma área da Reserva que foi reflorestada em 2012 com um financiamento do World Land Trust.

Na semana passada, nosso guia de aves Adilei, escutou o canto da Trovoada-de-Bertoni Drymophila rubricollis nessa área. Esta ave é um endemismo da Mata Atlântica, sendo normalmente encontrada em elevações mais altas, entre 900 – 2000 metros acima do nível do mar. Como este pedaço de terra está a cerca de 95 metros acima do nível do mar, Adilei ficou surpreso ao ouvir a espécie lá.

Por volta das 8h, Adilei saiu de sua casa como de costume com seu par de binóculos confiáveis. Ele ouviu o chamado e acabou encontrando o páss aro neste pequeno pedaço de matagal secundário. Ele estava cantando de forma vibrante mas, infelizmente sem obter nenhuma resposta. Apenas este solitário pássaro macho foi avistado. Estaria simplesmente perdido, ou talvez chamando uma fêmea? Talvez tenha sido forçado a descer, pois está extraordinariamente frio no momento, mesmo para esta nossa temporada de inverno.

Será interessante ver se é escutado novamente. Infelizmente Adilei não tinha sua câmera com ele nesta ocasião, então aqui está uma foto de um outro indivíduo distinto que eu tirei recentemente, para destacar o quão deslumbrante este pássaro é.

Primeira anta selvagem nascida na REGUA

Imagem capturada da armadilha fotográfica mostrando a primeira anta selvagem nascida no Rio de Janeiro após 100 anos (© Adilei Carvalho da Cunha)

Trazemos a vocês a notícia do nascimento de uma anta Tapirus terrestris, ao ar livre, sem ter sido em cativeiro, fato que não ocorria há mais de 100 anos.

Essa história começa em 2016 quando o Professor Fernando Fernandez da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) elaborou um plano de soltura de antas, uma espécie extinta no estado do Rio de Janeiro há mais de 100 anos, na REGUA durante um período de 3 a 4 anos. O local estratégico pensado, uma das áreas reflorestadas em 2005 pela REGUA e financiada pelo World Land Trust, tinha conexão com o Parque dos Três Picos, onde se encontra o terceiro maior remanescente de Mata Atlântica do mundo. Após algum tempo de diálogo com as autoridades do Parque, citando os benefícios da dispersão de sementes realizada pelas antas, o aval foi dado.

Foram construídos dois grandes cercados na floresta, ao redor dos lagos da REGUA, para receber 3 antas que estavam em um criadouro em Minas Gerais. Vieram a Eva, seu filhote Floquinho e o seu parceiro Adão, nomes estes escolhidos pela comunidade do entorno da REGUA no final do ano 2017. Infelizmente, o Adão teve uma forte pneumonia e acabou morrendo, porém não muito tempo depois, o projeto Refauna trouxe mais três antas de um criadouro no Paraná. Eles se chamavam Júpiter, Valente e Flora. Júpiter remete ao Deus do céu e do trovão na mitologia romana, e o nosso Júpiter agindo de acordo, logo expulsou Floquinho de perto de sua mãe Eva, que agora vive na parte baixa da bacia do Guapiaçu. Assim, Júpiter se encontra no território da REGUA com as duas fêmeas Eva e Flora. Após 13 meses, Eva nos presenteou com o nascimento do primeiro bebê anta!

O projeto Refauna registrou as primeiras imagens através de uma armadilha fotográfica e recentemente, nosso guia de Aves Adilei Carvalho da Cunha, instalou duas armadilhas fotográficas, percebendo depois que um dos cartões de memória estava comprometido e o outro registrou um número incrível de pacas, saguis, gambás e cuícas, porém sem sucesso com o registro das antas. Ao substituir o cartão de memória finalmente voltou com os registros das antas, nos trazendo imensa alegria. Os vídeos mostram um indivíduo saudável, todavia sem nome, que deve estar com 3 meses. A mãe está vivendo em uma área mais aberta, sem ser na floresta densa, próximo a alguma lavoura ou campo, onde já foi vista várias vezes usando uma trilha que a leva ao rio.

Essa não é apenas a primeira anta selvagem nascida na Reserva Ecológica de Guapiaçu, como a primeira nascida sem ser em cativeiro após 100 anos. Agradecemos ao Projeto Refauna, aos donos dos criadouros e, às autoridades do Parque dos Três Picos, pois certamente irão se deparar com as antas em suas vastas áreas verdes.

“Conformidade” ou “Compliance” Conexões éticas do Terceiro setor

(©% Nicholas Locke)
(© Ana Carolina Moreira)

Foram cinco dias de imersão num curso sobre “conformidade”, ou seja, “compliance”, onde os temas abordados foram: a integridade das organizações, ambiente regulatório, governança corporativa e gestão de risco, gestão estratégica e suas ferramentas, planejamento, monitoramento e avaliação de programas, sistematização de tecnologias socioambientais e comunicação para transformação.

O curso foi realizado pela UNESCO em parceria com a Petrobras, com o apoio da UFF e ministrado pela JS Brasil. Participaram vinte Organizações Sociais Civis (OSCs) nesta oficina de capacitação, a maioria do Rio de Janeiro. Havia três organizações ambientais e as demais eram de ordem sociocultural.

Foi uma semana de muitos desafios e aprendizagem, como por exemplo, o código de ética, mapas de riscos e principalmente mapas processuais com muita atenção dado os indicadores de avaliação para entender do impacto das propostas das próprias OSCs. Como “tornar um desejo em uma necessidade” foi constantemente relembrado a fim de focar os esforços de cada instituição. Como monitorar, medir e avaliar esses processos através indicadores predeterminados para corrigir e acertar os passos é a forma de garantir sucesso institucional de cada projeto. A fim, de testar nossa aprendizagem, foram realizados grupos de trabalho que assegurava a boa interação entre os participantes podendo discutir as conclusões apresentadas pelos grupos.

Para a REGUA, foi muito interessante aprender como as OSCs sociais trabalham. Muitos projetos trazem apoio para os vulneráveis na sociedade em áreas especificas da sua atuação, complementando programas do Governo. Aprendemos a formatar esses valores éticos dentro do projeto, valorizando o material humano para deixar um “legado”. Claro que nunca deve faltar a paixão, o propulsor que levou ao “desejo” de cada um, organizado e avaliado constantemente o progresso e propostas da instituição, isso é a chave para o sucesso, diante de tantas incertezas.

Teremos uma visita da JS Brasil nos próximos meses a REGUA que passarão dois dias conosco para auxiliar nas nossas demandas e efetiva adoção das propostas “compliance”. Captamos a essência da imersão, e pode ser princípios que utilizamos todo dia, mas a organização e estrutura das propostas é que vai contribuir para o sucesso das nossas propostas no futuro.

Os 14 anos de reflorestamento na Reserva Ecológica de Guapiaçu (Regua)

Qual é a necessidade de reflorestar se a mata retorna sozinha? – Essa é uma percepção do público leigo e, também, a pergunta mais respondida na Regua desde 2004. A resposta não é simples.

De antemão, a Regua é uma organização não governamental (ONG) ambiental localizada em Cachoeiras de Macacu, RJ, com a missão de conservar a alta bacia do Rio Guapiaçu, uma bacia estrategicamente importante na produção hídrica para a área leste da Baía Guanabara. Cerca de três milhões de pessoas bebem a água proveniente da Bacia do Rio Guapiaçu, que possui aproximadamente 60% da mata nativa em diversos estágios de recuperação. Será que essa cobertura florestal é suficiente para garantir abastecimento hídrico eternamente?

A área dos alagados na REGUA, tal como se apresentava nos finais dos anos 90, com pastos e uma plantação de macadâmia (à esquerda, na foto; Acervo REGUA).

Quatro ações essenciais apoiam a missão institucional: a proteção das florestas através de um quadro de guarda-parques e da criação da RPPN; a inclusão social através de um amplo programa de educação ambiental e visitação; o apoio e o incentivo a pesquisas para compreender como as florestas funcionam; e, por último, um programa de reflorestamento que, além de contribuir para uma maior funcionalidade ecológica, gera emprego e renda. Ao longo de 14 anos, foram plantadas quase meio milhão de árvores nativas da Mata Atlântica em 300 ha de áreas degradadas, utilizadas em parte pelo INEA, para o desenvolvimento de critérios para o monitoramento de resultados a respeito da recuperação florestal.

Quanto à pergunta inicial, a resposta é: depende. A regeneração natural não é simples nem instantânea. Mesmo que o processo de reflorestamento seja natural, áreas muito degradadas simplesmente não voltam ao seu estado original, tanto em relação à beleza cênica quanto à biodiversidade. Fruto de muita pesquisa, o reflorestamento hoje permite uma recuperação florestal relativamente rápida, beneficiando a biodiversidade associada, gerando emprego local, definindo planejamento territorial e permitindo a plena continuidade dos serviços ambientais dos quais dependemos, como a produção de água em quantidade e qualidade. O reflorestamento é a revolução verde do século XXI, combatendo a crise ambiental global em larga escala. Então, qual é o segredo do sucesso? – A resposta, simples, é: responsabilidade, uma atitude básica fundamentada em conhecimento, dedicação e valoração da atividade. O conhecimento florestal vem de uma preocupação com a crise ecológica. Nossa própria sobrevivência neste planeta depende do equilíbrio entre os mundos bióticos e abióticos. Não é fácil compreender toda a dinâmica, mas evidentemente temos obrigação de recuperar áreas degradadas, observar como funciona a complexa ordem fitossocial das florestas, suas matrizes, e nos familiarizarmos com as peculiaridades na produção de mudas de qualidade para cada espécie, com vistas à recuperação de áreas em larga escala. A observação faz melhorar a técnica. A dedicação faz conhecer e organizar as técnicas, melhorando o planejamento.

A mesma área nos finais de 2012 (Acervo REGUA)

O sucesso das ações investidas é fruto de muita dedicação. A valoração da atividade passa pela oportunidade de acompanhar o crescimento de uma árvore e o desenvolvimento da nova floresta em seus processos ecológicos. Como não ficar sensibilizado segurando uma semente, puro germoplasma, um organismo em toda a sua potência? – Pensamos nos mistérios de cada semente e naquilo que ela se tornará, desde a sua germinação até a formação da floresta: a composição perfeita de substrato, as tolerâncias hídricas, a rustificação no viveiro, o transporte ao campo, a preparação dos berços, a adubação ideal e os cuidados de manutenção. Essa deve ser a sensibilidade e o objetivo de cada reflorestador. Plantar “sempre” e “mais” árvores é uma obrigação na Regua, assim como monitorar todo o processo, unir esforços entre os atores e estabelecer os meios mais efetivos de comunicação para que o público possa entender que o reflorestamento é uma proposta séria e atual, capaz de inspirar as atuais e futuras gerações.

A Regua agradece a oportunidade de receber recursos de parceiros que nos ajudaram a plantar esses 300 hectares com mais de 200 espécies nativas, que hoje atraem visitantes do mundo todo, observadores de aves, representantes da academia e amantes da natureza em geral; permitindo que desfrutem desse sonho conquistado. Reflorestar é contribuir com amor para a nossa belíssima Mata Atlântica; é também a única forma de garantir a sua conservação perpétua.

Vigiando o ninho das abelhas

Michael Patrikeev, um amigo Canadense de longa data, ex-voluntário e apoiante da REGUA, enviou esta incrível fotografia de abelhas nativas sem ferrão – Scaptotrigona xanthotricha, também conhecida como Mandaguari Amarela – juntamente com esta explicação do comportamento registrado pela foto:

“Esta espécie, restrita à Mata Atlântica do sudeste brasileiro, habita a floresta úmida  primária e secundária madura, onde constrói ninhos em cavidades e fendas de árvores. A imagem mostra as abelhas guardando as estruturas elaboradas na entrada do ninho. Estas estruturas, que se assemelham a fungos de árvores, são feitas de cera.

Ninho de Scaptotrigona xanthotricha (© Michael Patrikeev)

Observe as marcas de garras abaixo do ninho à esquerda. Essas abelhas são conhecidas por produzir um mel de boa qualidade, e talvez algum mamífero tenha tentado roubar previamente o ninho”.

Esta é apenas uma das inúmeras espécies florestais protegidas na REGUA. Cada informação que encontramos continua a reforçar a importância do trabalho que a equipe da REGUA e seus apoiadores tornam possível.

Mais informações e documentação fotográfica da Biodiversidade da REGUA podem ser encontradas no website de Michael:

http://www.wildnatureimages.org/Insects/Hymenoptera/Apidae-bees/Scaptotrigona-xanthotricha.html

Em homenagem a Gabriela Viana do GGV

Um Feliz Natal e um Ano Novo cheio de oportunidades!

xmas_card_da_regua-1000x667
REGUA RPPN

A REGUA é uma ONG com designação de RPPN em 350 hectares e vive da captação de recursos para suas atividades de conservação. O título RPPN oferece aos potenciais doadores da REGUA, garantias que a sua doação se converta em patrimônio perpétuo.

Esta denominação é conhecida e respeitada globalmente trazendo transparência a missão da instituição. A definição do uso de solo da RPPN, fruto de um minucioso planejamento e mapeamento topográfico é um exemplo de gestão territorial.

A REGUA também reconhece o privilégio de contribuir com o Parque Estadual Três Picos em aumentar a área protegida para incluir áreas baixas que são essenciais na garantia da qualidade da biodiversidade desta belíssima Unidade de Conservação.