Uma pesquisadora da França na UFRJ

Camiille dentro do cercado com as bromélias. (© Vinícius Farjalla)

“Meu nome é Camille Bonhomme. Eu sou uma estudante francesa fazendo doutorado em Ecologia na UFRJ no Rio de Janeiro, visando o estudo das condições que favorecem a resistência e a resiliência dos ecossistemas tropicais de água doce às secas prolongadas.
Há dois meses venho realizando um experimento na Reserva Ecológica de Guapiaçu. Eu estou usando plantas de bromélias como ecossistemas aquáticos em miniatura hospedando comunidades de invertebrados (principalmente larvas aquáticas se tornando terrestres na fase adulta) nos tanques de água das axilas das suas folhas. Nesses microcosmos, a fonte básica de alimentos são as folhas mortas que caem nesses tanques das árvores ao redor. Essas folhas são decompostas por detritívoros, como larvas de mosquitos (Diptera: Culicidae), que por sua vez são comidas por predadores, especialmente larvas de libélulas e lavandeiras (Insecta: Odonata).

Aqui estou pesquisando a relação entre a quantidade de alimentos disponíveis no ecossistema e a capacidade da comunidade associada se recuperar de um evento de seca. Para tanto, montei dois grupos de bromélias, uma com pouca e outra com grande quantidade de insumos de folhas mortas:

  • Primeiro, avaliei se a quantidade de alimento disponível era determinante para a composição e diversidade da comunidade. Deixei as bromélias ser colonizadas por invertebrados aquáticos e descobri que as bromélias que contêm mais alimentos hospedavam comunidades mais ricas e diversificadas do que as bromélias com poucos insumos de folhas mortas.
  • a segunda parte do experimento consistirá em avaliar a recuperação dessas comunidades de invertebrados diante de uma seca, para ver se ela é afetada pela quantidade de recursos previamente disponíveis.

A simulação de uma seca que afeta todo um ecossistema pode constituir um grande desafio quando se consideram lagos ou córregos, mas é bastante simples nas bromélias. Basicamente, cada planta é abrigada com uma tenda de plástico para evitar as chuvas e seus tanques acabam secando naturalmente. No final deste período de ‘seca’, se retiram os abrigos de modo que as chuvas terminarão enchendo as plantas novamente.

Bromélias durante o ‘evento de seca’ induzido, com ‘chapéu de chuva’ protetor impedindo que a água da chuva penetre nos tanques.  (©Camille Bonhomme)

Atualmente, estou na fase de acompanhamento da recuperação das comunidades de invertebrados das bromélias ao longo do tempo, após o evento de seca induzida, amostrando e identificando regularmente os organismos vivendo em seus tanques.

Minha hipótese esperada é que as folhas mortas favoreçam realmente a recuperação das comunidades afetadas pela ‘seca’, criando refúgios úmidos que irão beneficiar a sobrevivência de invertebrados in situ e atrair mais colonizadores de outras bromélias na vizinhança depois do término do evento de seca. Para dissociar esses dois mecanismos potenciais, metade das plantas é coberta com uma rede mosquiteira, evitando a recolonização e, assim, isolar o “efeito de refugiado” das folhas ”.

Nova espécie de Louva-a-Deus unicórnio descoberta na REGUA?

A Mata Atlântica do Brasil é uma floresta litorânea bem mais antiga que a própria Amazônia, tendo sofrido perdas históricas de 90% da área original somente nos últimos 150 anos, restando apenas alguns fragmentos isolados e em grande parte degradados.

Apesar de ter sido a formação vegetal brasileira primeiramente visitada e pesquisada por naturalistas estrangeiros e nacionais -desde os alvores da colonização, há uns 500 anos – ela continua com trechos mal explorados com inventários incompletos para muitos grupos e revelando espécies novas para a Ciência.

Esse é o caso dos Louva-a-Deus que nela habitam, com uma grande Biodiversidade e varias espécies endémicas ou mais curiosas como os Unicórnios do gênero Zoolea .

Possível espécie nova de louva-a-deus unicórnio do gênero Zoolea descoberto na REGUA pela equipe Projeto Mantis? (© Leonardo Lanna)

Essas criaturas contam com exóticas estruturas parecidas a chifres que se projetam para cima – desde a cabeça – formando um cone, daí o nome popular destes insetos.

Esta foi uma das muitas descobertas do Projeto Mantis capitaneado por Leonardo Lanna e apoiado pela National Geographic Society. Para mais detalhas desta descoberta e outros artigos do Projeto Mantis veja o artigo original publicado na versão brasileira do website da famosa revista com o mesmo nome.

I Curso Internacional de Determinantes Ecológicos da Dinâmica das Doenças Transmitidas por Vectores

Em resultado de uma parceria com cerca de 10 anos entre a REGUA e o FIOCRUZ, vai ser realizado pela primeira vez em novembro de 2018 uma edição Internacional e com novo formato da tradicional Disciplina de Determinantes Ecológicos das Doenças Transmitidas por Vectores, do programa de pós-graduação em medicina Tropical do Fiocruz.

Contando com a colaboração e docentes de outras instituições nacionais e estrangeiras – UNIRIO, UERJ, Brasil; Florida Medical Entomology Laboratory, EUA; Universidade Cooperativa de Colômbia, Institut de Recherche et Developpement, França; Universidade Alfonso X El Sábio, Espanha – esta edição do curso será realizada na íntegra nas instalações da REGUA (tanto a parte teórica como prática) de 12 a 17 de novembro de 2018. Os convidados e participantes estrangeiros receberão as boas-vindas nas instalações da Fiocruz onde será feita a recepção e apresentação do curso; depois transportados à REGUA onde as demais atividades do programa terão lugar.

A REGUA apoia totalmente este tipo de parcerias e manifestamos nossa alegria ao ver coroados nossos esforços em prol da conservação da Biodiversidade da alta bacia do rio Guapiaçu, levados a cabo por uma iniciativa particular de conservação da Mata Atlântica do Brasil, na concretização e promoção deste tipo de cooperação internacional na área da Ciência e Educação!

Sejam todos muito BEM-VINDOS à REGUA!

 

Os 14 anos de reflorestamento na Reserva Ecológica de Guapiaçu (Regua)

Qual é a necessidade de reflorestar se a mata retorna sozinha? – Essa é uma percepção do público leigo e, também, a pergunta mais respondida na Regua desde 2004. A resposta não é simples.

De antemão, a Regua é uma organização não governamental (ONG) ambiental localizada em Cachoeiras de Macacu, RJ, com a missão de conservar a alta bacia do Rio Guapiaçu, uma bacia estrategicamente importante na produção hídrica para a área leste da Baía Guanabara. Cerca de três milhões de pessoas bebem a água proveniente da Bacia do Rio Guapiaçu, que possui aproximadamente 60% da mata nativa em diversos estágios de recuperação. Será que essa cobertura florestal é suficiente para garantir abastecimento hídrico eternamente?

A área dos alagados na REGUA, tal como se apresentava nos finais dos anos 90, com pastos e uma plantação de macadâmia (à esquerda, na foto; Acervo REGUA).

Quatro ações essenciais apoiam a missão institucional: a proteção das florestas através de um quadro de guarda-parques e da criação da RPPN; a inclusão social através de um amplo programa de educação ambiental e visitação; o apoio e o incentivo a pesquisas para compreender como as florestas funcionam; e, por último, um programa de reflorestamento que, além de contribuir para uma maior funcionalidade ecológica, gera emprego e renda. Ao longo de 14 anos, foram plantadas quase meio milhão de árvores nativas da Mata Atlântica em 300 ha de áreas degradadas, utilizadas em parte pelo INEA, para o desenvolvimento de critérios para o monitoramento de resultados a respeito da recuperação florestal.

Quanto à pergunta inicial, a resposta é: depende. A regeneração natural não é simples nem instantânea. Mesmo que o processo de reflorestamento seja natural, áreas muito degradadas simplesmente não voltam ao seu estado original, tanto em relação à beleza cênica quanto à biodiversidade. Fruto de muita pesquisa, o reflorestamento hoje permite uma recuperação florestal relativamente rápida, beneficiando a biodiversidade associada, gerando emprego local, definindo planejamento territorial e permitindo a plena continuidade dos serviços ambientais dos quais dependemos, como a produção de água em quantidade e qualidade. O reflorestamento é a revolução verde do século XXI, combatendo a crise ambiental global em larga escala. Então, qual é o segredo do sucesso? – A resposta, simples, é: responsabilidade, uma atitude básica fundamentada em conhecimento, dedicação e valoração da atividade. O conhecimento florestal vem de uma preocupação com a crise ecológica. Nossa própria sobrevivência neste planeta depende do equilíbrio entre os mundos bióticos e abióticos. Não é fácil compreender toda a dinâmica, mas evidentemente temos obrigação de recuperar áreas degradadas, observar como funciona a complexa ordem fitossocial das florestas, suas matrizes, e nos familiarizarmos com as peculiaridades na produção de mudas de qualidade para cada espécie, com vistas à recuperação de áreas em larga escala. A observação faz melhorar a técnica. A dedicação faz conhecer e organizar as técnicas, melhorando o planejamento.

A mesma área nos finais de 2012 (Acervo REGUA)

O sucesso das ações investidas é fruto de muita dedicação. A valoração da atividade passa pela oportunidade de acompanhar o crescimento de uma árvore e o desenvolvimento da nova floresta em seus processos ecológicos. Como não ficar sensibilizado segurando uma semente, puro germoplasma, um organismo em toda a sua potência? – Pensamos nos mistérios de cada semente e naquilo que ela se tornará, desde a sua germinação até a formação da floresta: a composição perfeita de substrato, as tolerâncias hídricas, a rustificação no viveiro, o transporte ao campo, a preparação dos berços, a adubação ideal e os cuidados de manutenção. Essa deve ser a sensibilidade e o objetivo de cada reflorestador. Plantar “sempre” e “mais” árvores é uma obrigação na Regua, assim como monitorar todo o processo, unir esforços entre os atores e estabelecer os meios mais efetivos de comunicação para que o público possa entender que o reflorestamento é uma proposta séria e atual, capaz de inspirar as atuais e futuras gerações.

A Regua agradece a oportunidade de receber recursos de parceiros que nos ajudaram a plantar esses 300 hectares com mais de 200 espécies nativas, que hoje atraem visitantes do mundo todo, observadores de aves, representantes da academia e amantes da natureza em geral; permitindo que desfrutem desse sonho conquistado. Reflorestar é contribuir com amor para a nossa belíssima Mata Atlântica; é também a única forma de garantir a sua conservação perpétua.

Capacitação de professores para o uso de trilhas interpretativas

Uma estação na Trilha Interpretativa (© Tatiana Horta)

As trilhas interpretativas têm atributos especiais como: a sensibilização do público, a interação e a conscientização. Por meio destes meios é possível transmitir ao público conhecimentos, de maneira informal, o que permite a participação no processo ensino-aprendizagem de maneira mais agradável. Através dos recursos desse meio busca-se envolver os visitantes e despertar um novo olhar sobre a natureza, por meio da interpretação ambiental.  

O uso da trilha interpretativa é uma ótima ferramenta em educação ambiental. Para melhor proveito dessa estratégia, é necessário preparar os profissionais da educação para seu uso. O educador não deve só conhecer bem o percurso da trilha, mas também saber dos seus potenciais que se correlacionam com os conteúdos trabalhados em sala de aula.

O Programa de Capacitação para professores do projeto Guapiaçu Grande Vida tem por objetivo aproximar tais profissionais desse importante instrumento de sensibilização ambiental. Assim, há um melhor aproveitamento nas visitas escolares que acontecerão ao longo do ano na REGUA.

Em setembro, o curso teve como público-alvo os professore do município de Cachoeiras de Macacu, participaram das atividades 18 educadores de escolas do município. O evento ocorreu nos dias 11, 20 e 28 de setembro com carga horária de 20 horas, com aulas teóricas e práticas na REGUA.

Monitores ambientais: seleção e capacitação

Foto dos alunos e monitores (© Tatiana Horta)

A proposta de educação ambiental para monitoramento da análise de água de rios do município é a realização de um programa piloto envolvendo os estudantes da rede pública do município de Cachoeiras de Macacu. O objetivo é sensibilizar os jovens para a importância da preservação ambiental para a qualidade dos rios, assim como sobre a influência do homem em determinados locais.

Para esse segundo grupo, cinco unidades escolares do município foram selecionadas para o programa piloto se apresentado: Colégio Estadual Sol Nascente, Colégio Estadual Maria Zulmira Torres, Colégio Estadual Maria Veralba Ferraz, Colégio Municipal Professor Carlos Brandão e CIEP 479 Dr. Mário Simão Assaf. A proposta foi apresentada aos estudantes, e as Fichas de inscrição foram distribuídas aos interessados. Os alunos inscritos participaram de uma seleção, que avaliou não só critérios como histórico escolar, mas também a criatividade, comunicação, liderança, pró atividade, relação interpessoal, capacidade de produção, disponibilidade e responsabilidade.

Colhendo e analisando amostras de água (© Tatiana Horta)

Foram 71 estudantes inscritos na seleção, e desses, 30 foram selecionados. Os estudantes selecionados participaram de uma capacitação nos dias 14, 17 e 18 de setembro, com carga horária de 20 horas, com aulas teóricas e práticas na REGUA. Os estudantes capacitados participarão de coletas para análise de água mensalmente, junto com a equipe do projeto a partir de outubro, junto com a primeira turma capacitada.

São coletadas amostras de água em 12 pontos da bacia hidrográfica e os resultados são computados e analisados pelos jovens com a supervisão de profissionais da equipe do projeto. Esses resultados alimentam um banco de dados que vão gerar uma publicação que será finalizada em 2019.

RPPN RESERVA ECOLOGICA DE GUAPIACU – REGUA I,II,III (Chanceladas pelo INEA em 2013,2014, 2017 respectivamente).

O livro “10 anos de apoio a conservação da biodiversidade- Programa Estadual de Reservas Particulares do Patrimonio Natural- do INEA” – foi apresentado e distribuido durante evento aberto ao publico interessado. Proprietários de terras, autoridades e equipe técnica do INEA, representantes do governo estadual e municipal, representantes da Confederação Nacional de RPPNs, representantes de ONGs se reuniram no Museu do Amanhã, centro da cidade do Rio de Janeiro, para comemorar o resultado obtido nesta ultima década referente ao incentive do INEA na criação de 85 RPPNs que protegem 8 mil hectares no estado do Rio de Janeiro. As RPPNs (Reservas Particulares do Patrimonio Natural) sao criadas pela livre e espontanea vontade do proprietário em caráter de perpetuidade. A figura jurídica das RPPNs esta contemplada no Sistema Nacional de Unidades de Conservação-SNUC conforme previsão da Lei Federal 9985/2000.

Depoimento do Nicholas e Raquel Locke

O Brasil tem varios biomas e, neles, muitas das paisagens mais belas do planeta. Nao faltam montanhas , rios, cachoeiras, praias e florestas com flora e fauna especificas. Pensando na sua proteção, o governo nos brindou com uma parceria através do termo RPPN. A criação de RPPNs permite que aqueles proprietários que se preocupam com a  perpetua conservação das sus propriedades criem seus santuarios, chancelados pelo governo e protegidos por lei. O governo ganha com o aumento das areas protegidas e os RPPNistas garantem a preservação das mesmas. Com o novo Código Florestal, recomendo que todos os proprietários transformem suas Reservas Legais e Areas de Proteção Permanente (APPS) em RPPNs, ganhando anuencia da Receita Federal, redução de impostos e futuros beneficios através de pagamento por serviços ambientais.

Com isso, teríamos uma definição territorial melhor, facilitando o planejamento e a gestão da paisagem, alem da tranquilidade fiscal. Assim, garantimos a preservação da nossa imensa biodiversidade, e as futuras gerações ganham um pais mais bonito. Olha que maravilha!

 

Vigiando o ninho das abelhas

Michael Patrikeev, um amigo Canadense de longa data, ex-voluntário e apoiante da REGUA, enviou esta incrível fotografia de abelhas nativas sem ferrão – Scaptotrigona xanthotricha, também conhecida como Mandaguari Amarela – juntamente com esta explicação do comportamento registrado pela foto:

“Esta espécie, restrita à Mata Atlântica do sudeste brasileiro, habita a floresta úmida  primária e secundária madura, onde constrói ninhos em cavidades e fendas de árvores. A imagem mostra as abelhas guardando as estruturas elaboradas na entrada do ninho. Estas estruturas, que se assemelham a fungos de árvores, são feitas de cera.

Ninho de Scaptotrigona xanthotricha (© Michael Patrikeev)

Observe as marcas de garras abaixo do ninho à esquerda. Essas abelhas são conhecidas por produzir um mel de boa qualidade, e talvez algum mamífero tenha tentado roubar previamente o ninho”.

Esta é apenas uma das inúmeras espécies florestais protegidas na REGUA. Cada informação que encontramos continua a reforçar a importância do trabalho que a equipe da REGUA e seus apoiadores tornam possível.

Mais informações e documentação fotográfica da Biodiversidade da REGUA podem ser encontradas no website de Michael:

http://www.wildnatureimages.org/Insects/Hymenoptera/Apidae-bees/Scaptotrigona-xanthotricha.html

Em homenagem a Gabriela Viana do GGV

Casal de jacurutus encontrados acasalando na REGUA!

Jacurutus, REGUA, 19 de agosto 2018 (© Adilei Carvalho da Cunha)
Jacurutus, REGUA, 19 de agosto 2018 (© Adilei Carvalho da Cunha)

Em outubro 2017, o guia de aves da REGUA, Adilei Carvalho da Cunha escutou a vocalização de uma jacurutu Bubo virginianus na comunidade de Matumbo próxima a REGUA. Com distribuição ampla, abrangendo grande parte da America do Norte, Central e Sul, faz tempo que se esperava inclui-la na lista de aves da REGUA. Este foi o primeiro registro na REGUA.

Infelizmente, não deu mais sinal de vida até há poucos dias atrás, em 18 de agosto 2018, quando finalmente Adilei viu a ave (primeiro avistamento registrado na REGUA). Ao retornar na manha seguinte com a sua camera, ele se deparou nao com uma ave solitaria mas com um casal. Enquanto observaba e fotografava o casal, qual nao foi seu espanto quando as aves começaram a acasalar na sua frente!

Este e um registro incrível e um novo registro de especie de coruja para a REGUA. A adição da jacurutu incrementou a lista de aves da REGUA para 479 especies! Parabéns Adilei pelo achado e documentação deste magnifico registro!

Jacurutus, REGUA, 19 de agosto 2018 (© Adilei Carvalho da Cunha)
Jacurutus, REGUA, 19 de agosto 2018 (© Adilei Carvalho da Cunha)
Jacurutu, REGUA, 19 de agosto 2018 (© Adilei Carvalho da Cunha)
Jacurutu, REGUA, 19 de agosto 2018 (© Adilei Carvalho da Cunha)