Agenda 21

A Agenda 21 foi oficialmente lançada na Eco 92 – Conferência das Nações Unidas para o Meio Ambiente e Desenvolvimento na cidade do Rio de Janeiro. A Agenda 21 tem como base o desenvolvimento sustentável que visa a viabilidade econômica, a preservação ambiental e a equidade social garantindo assim o bem-estar das presentes e futuras gerações. O Brasil elaborou a sua Agenda Nacional no ano 2002, e a partir desse momento o Ministério do Meio Ambiente começou a incentivar a elaboração das Agendas 21 regionais.

No ano de 2003, Eleonora Pacheco, coordenadora do programa de Educação Ambiental da REGUA submeteu o projeto para a elaboração da Agenda 21 do município de Cachoeiras de Macacu ao Ministério do Meio Ambiente. A REGUA foi contemplada como proponente do projeto junto à Prefeitura de Cachoeiras de Macacu como parceira estratégica. A construção do diagnóstico socioambiental do Município constituiu-se num processo participativo efetivo.

Em 2007, o Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (COMPERJ) projetado pela Petrobrás no município de Itaboraí (município vizinho de Cachoeiras de Macacu) começou a ser construído. Já em 2010, a empresa Petrobrás sob âmbito da sua responsabilidade socioambiental (exigida pela legislação ambiental) construiu a Agenda 21 COMPERJ, que incluiu os 14 municípios diretamente atingidos por este empreendimento, entre eles Cachoeiras de Macacu. A Agenda 21 Cachoeiras de Macacu começou, assim, uma nova etapa na sua existência.

Atualmente a REGUA é um membro ativo do Fórum da Agenda 21 de Cachoeiras de Macacu que por sua vez é membro do ComARC (Comitê das Agendas 21 na Região do Conleste) representado pelos municípios de Cachoeiras de Macacu, Casimiro de Abreu, Guapimirim, Itaborai, Magé, Maricá, Niteroi, Nova Friburgo, Rio Bonito, São Gonçalo, Saquarema, Silva Jardim, Tanguá e Teresópolis.