Category Archives: Bromélias

Uma pesquisadora da França na UFRJ

Camiille dentro do cercado com as bromélias. (© Vinícius Farjalla)

“Meu nome é Camille Bonhomme. Eu sou uma estudante francesa fazendo doutorado em Ecologia na UFRJ no Rio de Janeiro, visando o estudo das condições que favorecem a resistência e a resiliência dos ecossistemas tropicais de água doce às secas prolongadas.
Há dois meses venho realizando um experimento na Reserva Ecológica de Guapiaçu. Eu estou usando plantas de bromélias como ecossistemas aquáticos em miniatura hospedando comunidades de invertebrados (principalmente larvas aquáticas se tornando terrestres na fase adulta) nos tanques de água das axilas das suas folhas. Nesses microcosmos, a fonte básica de alimentos são as folhas mortas que caem nesses tanques das árvores ao redor. Essas folhas são decompostas por detritívoros, como larvas de mosquitos (Diptera: Culicidae), que por sua vez são comidas por predadores, especialmente larvas de libélulas e lavandeiras (Insecta: Odonata).

Aqui estou pesquisando a relação entre a quantidade de alimentos disponíveis no ecossistema e a capacidade da comunidade associada se recuperar de um evento de seca. Para tanto, montei dois grupos de bromélias, uma com pouca e outra com grande quantidade de insumos de folhas mortas:

  • Primeiro, avaliei se a quantidade de alimento disponível era determinante para a composição e diversidade da comunidade. Deixei as bromélias ser colonizadas por invertebrados aquáticos e descobri que as bromélias que contêm mais alimentos hospedavam comunidades mais ricas e diversificadas do que as bromélias com poucos insumos de folhas mortas.
  • a segunda parte do experimento consistirá em avaliar a recuperação dessas comunidades de invertebrados diante de uma seca, para ver se ela é afetada pela quantidade de recursos previamente disponíveis.

A simulação de uma seca que afeta todo um ecossistema pode constituir um grande desafio quando se consideram lagos ou córregos, mas é bastante simples nas bromélias. Basicamente, cada planta é abrigada com uma tenda de plástico para evitar as chuvas e seus tanques acabam secando naturalmente. No final deste período de ‘seca’, se retiram os abrigos de modo que as chuvas terminarão enchendo as plantas novamente.

Bromélias durante o ‘evento de seca’ induzido, com ‘chapéu de chuva’ protetor impedindo que a água da chuva penetre nos tanques.  (©Camille Bonhomme)

Atualmente, estou na fase de acompanhamento da recuperação das comunidades de invertebrados das bromélias ao longo do tempo, após o evento de seca induzida, amostrando e identificando regularmente os organismos vivendo em seus tanques.

Minha hipótese esperada é que as folhas mortas favoreçam realmente a recuperação das comunidades afetadas pela ‘seca’, criando refúgios úmidos que irão beneficiar a sobrevivência de invertebrados in situ e atrair mais colonizadores de outras bromélias na vizinhança depois do término do evento de seca. Para dissociar esses dois mecanismos potenciais, metade das plantas é coberta com uma rede mosquiteira, evitando a recolonização e, assim, isolar o “efeito de refugiado” das folhas ”.

No microuniverso das bromélias

Juliana em pleno trabalho no seu experimento nas pastagens do Campestre, em Guapiaçu.

Quando observamos um riacho, é impossível não perceber a quantidade de folhas que nele caem. As folhas da vegetação ao seu redor representam uma importante fonte de energia para os organismos aquáticos. Contudo, apesar de serem encontradas em grande quantidade, esse alimento possui uma qualidade inferior relativamente às algas, também encontradas em ambientes aquáticos. Está em curso atualmente, um grande debate na área de Ecologia de Ecossistemas sobre qual deles é o alimento mais importante para as relações alimentares entre organismos aquáticos: as folhas mortas, em grande quantidade; ou as algas, de melhor qualidade?

Para obter uma resposta, Juliana Leal (MNRJ) utiliza bromélias-tanque como ecossistemas-modelo. As bromélias possuem muitas similaridades com os grandes ambientes aquáticos de água doce, especialmente em relação à presença de algas e folhas mortas como principais fontes de alimento para os organismos que a habitam. Através da sobreposição de diferentes malhas de sombrites, ela conseguiu 12 diferentes níveis de penetração de luz na água armazenada nas bromélias. Como as algas necessitam de luz para produzir seu alimento, a sua quantidade será afetada pela disponibilidade da mesma. Assim, Juliana espera verificar como os insetos aquáticos utilizam as algas e as folhas mortas como alimento: quanto maior a disponibilidade de algas, mais os insetos as consomem? – Ou existe uma quantidade mínima de algas necessária para que os organismos a utilizem como principal alimento?