Programa de Monitoramento Florestal.

Um reflorestamento bem sucedido depende da correta prática de manejo e de sua periodicidade (© Tatiana Horta).

 

Após o período de plantio das mudas florestais para a restauração ecológica, a fase conhecida como pós-implantação consiste na manutenção dessa futura floresta. É importante proteger as mudas plantadas especialmente dos efeitos negativos das plantas daninhas oportunistas, de pragas e doenças e quando necessário, repor (fazer o replantio) os berços falhados com novas mudas. Os objetivos dessa etapa compreendem tanto oferecer condições para o desenvolvimento das mudas no campo, como promover o estabelecimento delas. Um reflorestamento bem sucedido depende da correta prática de manejo e da periodicidade necessária à realização desta atividade. Em geral, existe um planejamento para este tipo de manutenção a cada 90 ou 120 dias, contados a partir do plantio. Consequentemente, as ações de manutenção favorecem a restauração e o restabelecimento dos processos ecológicos na área restaurada, a longo prazo.  

 

Dentre os serviços ecossistêmicos prestados pelo ambiente recuperado, podem ser citados: a melhoria do microclima local e regional, a regulação térmica e hídrica, a estabilidade de encostas, o aumento da qualidade e quantidade dos recursos hídricos e a garantia de biodiversidade através da conexão dos fragmentos de remanescentes florestais a partir da criação de corredores ecológicos. Para acompanhar se a nova floresta está se desenvolvendo adequadamente e cumprindo o seu papel ecológico é necessário monitorar e avaliar o seu crescimento. O objetivo do monitoramento florestal é acompanhar a evolução e medir tanto a qualidade como o sucesso dos plantios.  

 

Temos duas etapas de monitoramento: a primeira, que atende a Resolução INEA nº 143 de 14 de junho de 2017 e tem como objetivo avaliar a qualidade dos plantios; e a segunda, que avalia a biomassa acumulada e o estoque de carbono nos plantios de restauração do Projeto Guapiaçu. Este projeto é executado pela REGUA com o financiamento da Petrobras, por meio do programa Petrobras Socioambiental.                       A primeira etapa do monitoramento deve ser realizada anualmente após a implantação de projetos de restauração para fins de quitação de compromissos e obrigações legais. Neste monitoramento, utiliza-se o Manual de Procedimentos para o Monitoramento e Avaliação de Áreas em Restauração Florestal no Estado do Rio de Janeiro e a metodologia escolhida é o Diagnóstico Ecológico Rápido – DER.  

 

 

O Diagnóstico Ecológico Rápido – DER é a metodologia empregada durante o monitoramento (©Aline Damasceno).

Ele é baseado na medição direta de sete parâmetros ecológicos, que são: densidade de plantio, percentual de espécies zoocóricas, altura das plantas, equidade, riqueza de espécies, cobertura de copa e cobertura de gramíneas. A partir da avaliação destes parâmetros, espera-se observar a chegada espontânea de novos indivíduos da flora na regeneração natural, a presença de florações e frutificações para algumas espécies de mudas plantadas (em especial as espécies pioneiras) e também a presença da fauna no local, como insetos, aves, roedores e pequenos mamíferos. 

 

A segunda etapa é realizada após o quarto ano de implantação. Os plantios realizados na primeira fase do Projeto Guapiaçu, que reflorestou 100 hectares entre os anos de 2013 e 2015, receberam a certificação de carbono pela Aliança Clima Comunidade Biodiversidade (ACCB). Esta certificação teve como objetivo conferir um selo de qualidade a estes plantios que foram muito bem executados pela Regua. Os plantios realizados nas fases subsequentes deste projeto (mais 160 hectares) foram incorporados ao plano de monitoramento de acúmulo de biomassa, conforme metodologia e pressupostos certificados junto a ACCB, e podem receber a certificação quando completarem quatro anos de implantação. 

 

Equipe de campo durante o monitoramento (©Aline Damasceno).

 

O monitoramento de biomassa acontece a partir do quarto ano porque necessita que as mudas estejam com o seu DAP (diâmetro à altura do peito) mais desenvolvido para que possa utilizá-lo como parâmetro na aplicação de equações alométricas. Estas equações são usadas para a análise de biomassa e estoque de carbono nos plantios, bem como para obter os valores de CO2 sequestrado pela nova floresta.  Com isso, a REGUA assumiu o compromisso de monitorar o acúmulo de biomassa nestes plantios pelos próximos 30 anos. Espera-se que ao longo dos 30 anos sejam estocados mais de 13.500 toneladas de carbono e 49.680 toneladas de CO2 equivalente sejam removidos da atmosfera.