Primeira anta selvagem nascida na REGUA

Imagem capturada da armadilha fotográfica mostrando a primeira anta selvagem nascida no Rio de Janeiro após 100 anos (© Adilei Carvalho da Cunha)

Trazemos a vocês a notícia do nascimento de uma anta Tapirus terrestris, ao ar livre, sem ter sido em cativeiro, fato que não ocorria há mais de 100 anos.

Essa história começa em 2016 quando o Professor Fernando Fernandez da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) elaborou um plano de soltura de antas, uma espécie extinta no estado do Rio de Janeiro há mais de 100 anos, na REGUA durante um período de 3 a 4 anos. O local estratégico pensado, uma das áreas reflorestadas em 2005 pela REGUA e financiada pelo World Land Trust, tinha conexão com o Parque dos Três Picos, onde se encontra o terceiro maior remanescente de Mata Atlântica do mundo. Após algum tempo de diálogo com as autoridades do Parque, citando os benefícios da dispersão de sementes realizada pelas antas, o aval foi dado.

Foram construídos dois grandes cercados na floresta, ao redor dos lagos da REGUA, para receber 3 antas que estavam em um criadouro em Minas Gerais. Vieram a Eva, seu filhote Floquinho e o seu parceiro Adão, nomes estes escolhidos pela comunidade do entorno da REGUA no final do ano 2017. Infelizmente, o Adão teve uma forte pneumonia e acabou morrendo, porém não muito tempo depois, o projeto Refauna trouxe mais três antas de um criadouro no Paraná. Eles se chamavam Júpiter, Valente e Flora. Júpiter remete ao Deus do céu e do trovão na mitologia romana, e o nosso Júpiter agindo de acordo, logo expulsou Floquinho de perto de sua mãe Eva, que agora vive na parte baixa da bacia do Guapiaçu. Assim, Júpiter se encontra no território da REGUA com as duas fêmeas Eva e Flora. Após 13 meses, Eva nos presenteou com o nascimento do primeiro bebê anta!

O projeto Refauna registrou as primeiras imagens através de uma armadilha fotográfica e recentemente, nosso guia de Aves Adilei Carvalho da Cunha, instalou duas armadilhas fotográficas, percebendo depois que um dos cartões de memória estava comprometido e o outro registrou um número incrível de pacas, saguis, gambás e cuícas, porém sem sucesso com o registro das antas. Ao substituir o cartão de memória finalmente voltou com os registros das antas, nos trazendo imensa alegria. Os vídeos mostram um indivíduo saudável, todavia sem nome, que deve estar com 3 meses. A mãe está vivendo em uma área mais aberta, sem ser na floresta densa, próximo a alguma lavoura ou campo, onde já foi vista várias vezes usando uma trilha que a leva ao rio.

Essa não é apenas a primeira anta selvagem nascida na Reserva Ecológica de Guapiaçu, como a primeira nascida sem ser em cativeiro após 100 anos. Agradecemos ao Projeto Refauna, aos donos dos criadouros e, às autoridades do Parque dos Três Picos, pois certamente irão se deparar com as antas em suas vastas áreas verdes.